quinta-feira, 21 de maio de 2015

É a da feira?


¾   Bom dia, o senhor pode me dar uma informação?
¾   Só se for agora!
¾   A Rua Senador...
¾   ...Vergueiro? Facinho. Pega aqui a vida toda, quando não der mais mão chegou.
¾   Senador Corrêa.
¾   Ih, esse senador é mais difícil. Ô Parafuso! Vem cá, traste! Larga essas caixas agora!
¾   Deixa, moço, ele está trabalhando.
¾   Trabalhando nada. Tá só enrolando para não fazer entrega. Ô menino, já fez entrega na Rua Deputado Corrêa?
¾   Senador...
¾   Aquela da feira, dona?
¾   Não sei, não conheço, é que...
¾   Deixa de ser abilolado. Tem feira todo dia na cidade toda. Segunda, terça, quarta, quinta, sexta-feira, sábado-feira, domingo-feira, feriado-feira. De que feira você está falando?
¾   A do Corpo de Bombeiros, chefe.
¾   Ah, bom. Por que não falou logo? Mas não tem mais feira lá. Acabou faz mais de década. O Seu Manoel da barbearia deve saber. Ô Mané, vem cá, Mané!
¾   Que é homem de Deus? Não vês que estou a barbear?
¾   É rapidinho. Sabe pra onde foi a feira da Praça dos Bombeiros?
¾   Foi para junto do viaduto. Não sei o dia, pergunta à Maria do mercado.
¾   Parafuso, vai lá no mercadinho chamar Dona Maria.
¾   Gente, muito obrigada, mas eu preciso ir, tenho hora marcada no...
¾   Vai sair perdida por aí? De jeito nenhum. Senta aqui e espera.
¾   Quem tá morrendo Zé da Banca pra me tirar do balcão?
¾   Pô Dona Maria, ajuda a moça aqui desesperada atrás de uma feira.
¾   Eu só queria a Rua...
¾   Mas hoje é terça. Só tem feira lá no Largo do Machado. E essa hora já tá tudo amassado desmontando.
¾   É mesmo Maria. Olha Dona, para a senhora ir pro Largo do Machado é moleza, é só voltar quatro quadras. Mas nesse calor nem sei se vale a pena. Mas tem o mercadinho da Dona Maria que tem de tudo um pouco fresquinho aqui do lado.
¾   Vem comigo, minha filha. Tenho o melhor tomate da cidade. Você gosta de tremoços?