Nascemos vazios



        Nascemos incolores, bissexuais, ateus, apolíticos e apátridas. Ainda cedo começa a guerra. Já saímos da maternidade com um laço de fita grudado na careca, ou um crucifixo no pescoço, ou sapatinhos com o escudo do time do pai, ou enrolado num cueiro  estampado com a bandeira do país ou  o símbolo do partido, escola de samba e outras bizarrices.  No pulso direito o nome da mãe e o número do cartão de nascimento com peso, tamanho e cor da pele: preto, branco ou pardo. Pardo... Sempre me intrigou se nesse pardo está incluído o amarelo, bege, marrom, rosado, vermelho, moreno jambo, bronze, gelo. Se assim for acredito ser a humanidade 99,99% parda. E olha que nem fomos agraciados com as matizes multicoloridas dos cães e gatos. Imagino que a história da humanidade seria bem diversa desta.
        Mas voltemos ao vazio. Com o bombardeio social passamos a seguir dogmas inexplicáveis, cultivamos misteriosos valores, herdamos ódios travestidos de tradição, abraçamos ideologias alheias e optamos pela aceitação em detrimento do desejo. Viramos inimigos de nós mesmos e passamos o resto da vida na luta inglória pelo resgate da própria identidade.
        Lá pelas tantas da perene existência humana algumas ovelhas desgarram-se do rebanho e a real natureza do ser desperta, questiona, ousa, muda, rompe com estereótipos, assume, cria e descobre a inexistência absoluta da verdade. É fácil? Longe disso. A liberdade é um produto caro, perecível, sem fornecedores confiáveis, sem crédito aprovado no banco e inexistente na tabela das seguradoras. É investimento pessoal de alto risco, sem garantia de retorno.
        Ser livre é só para os fortes; e não é obrigatório.

Comentários

Anônimo disse…
Sou forte, já fiz a minha escolha.
Daí que vulgarmente se diga, que só no pensamento o homem é efetivamente livre. E mesmo aí, com tantas condicionantes como as descritas neste belo e pertinente texto, tenho dúvidas ...
Catarina Cunha disse…
Eis que a liberdade nasce dessa dúvida.
Ivo de Souza disse…
Realmente liberdade é só pra quem tem coragem e não se submete por qualquer mesquinharia. Aliás, era Sartre quem dizia que se age de má fé quando fazemos algo influenciado pelos outros, e traímos nossa consciência. Talvez seja por isso a frase célebre: O inferno são os outros.
Ida Vicenzia disse…
Querida Cat, hoje oficializei a nossa cumplicidade! Lido "Nascemos Vazios", coisa sua, e só sua. Muito bom! Também li ser "andarilho" por estes caminhos da cidade cidades?)amada. Grande Cat!
Depois leio mais
bj bj
Aline Rezende disse…
É por essas e outras que sou sua fã incondicional...
Wallace Fauth disse…
Parabéns pela crônica!
Não chegeui ainda "lá pelas tantas"... Como não é obrigatório, fico relegando a segundo plano. Mas sei que minha hora e vez está prestes a chegar.
Anônimo disse…
Bonza Catita:
Dizem que a liberdade neste Planeta é só para quem não nasceu. Não acreditei sempre, mas, existe umas verdades que você lembrou muito bem: o dia de hoje, o aqui e agora, independente do tempo lá fora (viu como ser poeta é ter vida?) YK
Por que todos nascemos bissexuais? Acho muito estranho esta afirmação, não seriamos assexuados?

Postagens mais visitadas deste blog

Porque o inferno se perdeu

O gato, o pinguim e um brinde.

Todo o meu pedaço