quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Caminhar é preciso e todos os caminhos levam ao mesmo lugar.



                Não por recomendação médica ou almejando perder alguns gramas pelas ruas. Caminhamos por caminhar. Varamos horas por ruas e trilhas da cidade. Subimos comunidades por vielas estreitas escoltados por valentes cães sarnentos, gatos arredios, fios caóticos cruzando nossas cabeças, crianças correndo descalças, soltando pipa na laje, mulheres estendendo roupas no varal, homens unindo tijolos para mais um cômodo. Chapéu Mangueira, Dona Marta, Cantagalo, Vidigal, cheiro de arroz refogado no alho, feijão preto com costela e carne assada na panela. O samba e o funk impulsionados pelo vento, suor e alento na vista da cidade.
                Percorremos recantos de mansões escondidas por muros altos e câmeras de segurança, jardins perfeitos, carros brilhantes com vidros escuros sugados por garagens de portões com pintura nova e nenhuma viva alma nas ruas com cheiro de nada. Pinçados na zona sul, zona norte, zona oeste. Beleza de mega-sena entre o desejo empírico e o repúdio lógico.
                Trilhamos floresta adentro até a Cachoeira dos Primatas, Pedra do Urubu, Pedra da Gávea, Morro da Urca, Paineiras e toda a Floresta da Tijuca a mercê dos nossos passos, suas jaqueiras gigantescas, micos, esquilos, samambaias e aquelas florzinhas coloridas que crescem como mato na beira das trilhas. Grutas e abismos, sombras itinerantes, cheiro de terra e folha, pássaros furtivos e águas lambendo pedras escorregadias.
                Nos dias de preguiça ficamos pelo nosso quintal mesmo acompanhando as gentes múltiplas do Aterro do Flamengo. Bicicletas, muitas bicicletas, próprias e alugadas, carrinhos de bebês estacionados sob a soberba castanheira, areia branca assoviando nos pés, frescobol, vôlei de praia, futebol, basquete, esqueite, tênis, carteado, porrinha e há quem nade nas águas temperadas pelo rio Carioca. Gatos deitados nas pedras pegando sol na barriga, labradores mergulhando no mar para pescar cocos lançados por orgulhosos donos. Atletas profissionais e de fim de semana correm na areia dura, na molhada, na grama, no asfalto e na calçada. Tudo se move, até o solitário leitor ao virar a página ao som das maritacas.
                O segredo da caminhada é diversificar. Nada mais estimulante que bater perna nas ruas do Centro do Rio, concreto e vidro da Avenida Rio Branco, igrejas escuras, pedras portuguesas, Mosteiro de São Bento, lixo e assombro, cores e sons do comércio caótico do Saara, escavações arqueológicas, Gamboa, Pedra do Sal, Beco das Sardinhas, história, arquitetura e luxúria. Mercadão de Madureira e suas lojas de atacado e varejo, venda de carrinhos de pipoca, panelas, barcos de oferenda, objetos de cultos, umbanda, candomblé, santos católicos, evangélicos pregando na rua, bijuterias. CADEG, bolinho de bacalhau, festa portuguesa, flores e vinhos. Mercado São Sebastião, o de São Pedro de Niterói com peixes prateados, dourados e camarões frescos.
                Meu companheiro andarilho, que não se importa de não conseguir diferenciar chinês de coreano, em tudo vê o verde, encontra pitanga no pé entre o muro e o poste, mangueiras majestosas rasgando o teto de um restaurante, diferencia limoeiro de laranjeira, tangerina; sabe se o pé é de limão galego ou siciliano só olhando as folhas. Cheira pé de louro e amassa folha de eucalipto para aromar o bolso. Chama sabiá, quero-quero, mico e outros bichos pelo nome e sobrenome. Eu, com meus instintos e paixões urbanas, sorvo o prazer do asfalto molhado e a sedução exata dos paralelepípedos.
(Esta crônica homenageia o meu companheiro andarilho, rei e escudeiro Sammy Angeli, meio século hoje; interaço!).
                

4 comentários:

Anônimo disse...

Ando pra não ficar louco. Mas fico louco pra correr se não ando. Valeu CAT, assim você me leva as lágrimas. Levou. Beijo pra ti.

Sylvia Regina Marin disse...

Lindo presente. Parabéns para os dois. Beijos.

Anônimo disse...

Che bello, Catá!
Vocês dois são um casal abençoado, e o seu companheiro andarilho tem muito para se orgulhar de você.
Parabéns a ele pelas cinquenta primaveras... inteireças!
Felicidades para os dois
my

Aline Rezende disse...

Esse blog ANDA cada vez melhor...