Emergência



- Boa tarde, doutor. Estou morrendo...
- O que a senhora sente?
- Dor no corpo, febre, piriri, enjôo, ardência na gengiva quando bebo chope mal tirado e coceira no dedão do pé esquerdo...É grave?
Cutuca daqui, escuta dali, luz na garganta, nos olhos, nos ouvidos, bolina barriga, sovaco, pélvis, pescoço e nuca. Sentença imediata:
- É virose. Vitamina C, antiinflamatório por sete dias, antitérmico quando tiver febre e repou...
- Virose? Mas que vírus? Ebola? Gripe espanhola? Herpes?
- Virose simples, passageira.
- E a coceira no dedão?
- Frieira. Vou passar um talco e...
- E a gengiva?
- Não tem nada aparente, mas a senhora deve procurar um dentista regularm...
- Mas assim? Virose e pronto? Sem tomografia computadorizada? Nem um modesto kit exame de sangue e urina? Fezes! Há muitos anos não faço um exame de fezes. Nunca gostei de sair por aí com aquele potinho cheio. Mas, pela saúde, faço qualquer negócio. O doutor não acha que pode ser uma solitária devorando as minhas entranhas?
Doutor perfumado, barbeado, jaleco branco, olha muito fixamente a vítima:
- Não creio. Vou passar um vermífugo para tomar apenas um comprimido por prevenção.
- Sei...Olha, eu sou fumante ativa; e se for um efizema terminal ou tuberculose crônica ou pneumonia galopante? Veja bem a sua responsabilidade...
- Virose.
- Uma abeugrafiazinha não custa nada, não é doutor?
- Tome os remédios e volte daqui a dez dias.
- E se eu morrer até lá? O senhor garante meu pronto restabelecimento? Presta atenção: tenho histórico na família de câncer, diabetes, cardiopatia, esquizofrenia e neuroses múltiplas. Não seria melhor investigar?
- A senhora pode procurar uma outra opinião, talvez a de um terapeuta...Deixar de fazer pesquisa sobre doenças na internet já ajuda bastante...
- Essa manchinha no braço, também é da virose?
- Sol. Protetor solar evita as próximas.
- O doutor sabia que dengue e febre amarela são de comunicação obrigatória aos órgãos de saúde?
- Não é o seu caso. Virose, comum no verão. Boa noite e...
- Não! Espera! Eu tenho um agravante. Sou da geração 80, aquela que não media escrúpulos para se divertir. Sabe como é, não é doutor?
- Sei. Tome os remédios e vá dormir. Amanhã vai acordar bem melhor. Boa noite e, por favor, na saída chame o próximo paciente.
- Tem certeza, doutor?
- Tenho.
Magoada resmunga batendo a porta:
- É por isso que eu não gosto de médico, além deles não fazerem nada do que a gente quer, não possuem um pingo de imaginação!

Comentários

Anônimo disse…
Esse eu também conheço. Demaaaais! Sylvia

Sylvia Regina Marin | Email | Homepage | 01-03-2008 19:33:09
ivonilton disse…
Olá Catarina,

Sou o Ivo da pça. São Salvador. Ainda não li tudo, mas gostei muito do primeiro. Você tem um jeito leve de escrever. São contos de costumes, quase crônicas.

Abraços

Postagens mais visitadas deste blog

Porque o inferno se perdeu

O gato, o pinguim e um brinde.

Todo o meu pedaço